Não seja a bola da opinião dos outros.

Semana passada eu me reuni com mulheres maravilhosas e fomos ao bar. Conversamos sobre diversos assuntos, mas o assunto que mais voltava a tona era: insegurança. Nossas inseguranças como mulheres em relação a outras mulheres, homens, relacionamento, nós mesmas, etc.

Ao longo das conversas sobre isso, todas se identificavam com alguma insegurança que a outra também tinha, todas praticamente diziam a mesma coisa: “a sociedade tem um padrão muito severo”, “nunca sei como o outro vai me aceitar”, “as vezes me comparo com a outra menina da foto”, etc. Coisas normais, que nós mulheres fazemos, porquê infelizmente somos ensinadas assim.

Eu fiquei prestando atenção, um pouco chocada porque todas eram meninas MARAVILHOSAS e com inseguranças, durante a conversa ficava com receio de falar algumas coisas. Eu também tenho inseguranças, mas eu não consegui me identificar com nenhuma das inseguranças das meninas, conversamos sobre isso e elas ficaram, nossa que empoderada, segura etc, e eu fiquei alheia, por que não me sinto assim.

Não me sinto empoderada porque eu não era insegura e  briguei para ser segura. Eu sempre fui construindo essa barreira em mim. Isso sempre foi um exercício constante na minha vida. Minha mãe sempre repetia isso pra mim: “Luiza, não liga para a opinião do outro”, e isso virou um mantra e eu internalizei, de um jeito que me fez ser assim. E lógico, já tive muita insegurança em relação a tudo, mas no final eu sempre pensava que a única pessoa que eu tinha que agradar, era eu.

cultivo

Durante o Happiness isso intensificou com um sutra que ganhamos: “não seja a bola da opinião do outro”, que nada mais é que, e vou parafrasear a Lu Amorim, não se deixar inflar o ego com elogios e muito menos se murchar com críticas. Nós não podemos dar o controle remoto da nossa auto-estima, da nossa vida, para as outras pessoas. Quem controla isso somos nós.

Eu sei que tudo parece lindo na teoria, mas é lindo na prática também. É um exercício constante e que deve partir de cada um.

Antes de postar esse texto eu fiquei muito insegura, até  porquê ninguém é 100% seguro, eu nunca posso saber como vocês que o estão lendo podem reagir, tive medo de parecer presunçosa ou de me sentir muito segura e diminuir as outras pessoas que são inseguras, quando eu também me sinto insegura em reação a inúmeras coisas. Eu queria destacar que a precisamos sempre nos sentir bem, aceitar quem somos de verdade, independente do que o outro acha que a gente tem que ser, precisamos nos aceitar por inteiro. Cada um é o que o é, o que veio destinado a ser. Eu sou a Luiza, a Claudia é a Claudia, a Sofie é a Sofie e assim vamos seguindo. Cada um sabe dos seus demônios, ninguém está aqui para julgar ninguém, apenas para dizer palavras encorajadoras e quem sabe ajudar o outro.

beautiful-like-me

Encerro o texto de hoje deixando aqui pra todas as pessoas, mulheres, homens, trans, que estão num momento de insegurança trevoso, ou com um medinho bobo, algumas palavrinhas pra elxs se lembrarem sempre: RESPIRA E LEMBRA QUE VOCÊ É MARAVILHOSX! CADA SERZINHO É ÚNICO E NÃO EXISTE PADRÃO NENHUM NO MUNDO QUE A GENTE SE ENCAIXE, TODOS SÃO PERFEITOS DO JEITINHO QUE VIERAM. O QUE O OUTRO PENSA É NADA PERTO DA MARAVILHOSIDADE QUE É SER VOCÊ! ❤

Um beijo gigas e até o próximo café!

loveme

Anúncios

Vamos começar de novo.

Oioi, peguem seus cafés e por favor, vamos começar tudo de novo…

Ontem foi dia da mulher, um dia de orgulho, respeito, direitos e etcs. Só que foi um dia de críticas também, aliás, o que mais se tinham eram críticas. Eu li algumas terríveis, que me deixaram enojada.

Pensei enquanto lia algumas das críticas, uma delas era: “Feliz dia das mulheres para as que se comportam como uma, para as feministas aguardem o dia das crianças”. Sim, o dia das crianças. Outras eram obviamente que feministas fazem “mimimi” o tempo todo, entre outras, que prefiro não citar. O que mais penso é:

PORQUE AS PESSOAS TÊM TANTO MEDO DAS FEMINISTAS/ OU DE SER UMA: 

Para começo de conversa, vamos definir o que é feminismo porque assim vamos tentar entender qual que é a criancice ou o medo que essas pessoas empregam nos outros, ok?

FEMINISMO: movimento político, filosófico e social que defende a igualdade de direitos entre mulheres e homens.

FEMINISTA: uma pessoa que acredita em uma igualdade social, política e econômica entre os sexos. 

Pronto, agora que já definimos o que é feminismo e feminista, vamos para a parte em que a gente entende o que esse movimento faz.

Como a própria descrição diz, o feminismo luta pela igualdade entre homens e mulheres, lutando contra um sistema de sociedade que ainda é machista, que ainda oprime e mata milhares de mulheres pelo mundo. O feminismo acredita que a mulher tem todo o direito de viver livre de rótulos e da maneira em que a mulher se sente mais confortável.

O feminismo já conseguiu muitas coisas para as mulheres na sociedade. Vamos relembrar só alguns básicos, começando com o que originou o dia das mulheres: trabalhadoras de uma fábrica fizeram greve para diminuir a carga de trabalho de 16 para 10 horas, elas morreram queimadas, porque o dono da empresa assim o fez. Anos depois consideraram esse dia, um dia de luta pelas mulheres. Outra coisa bem legal, o feminismo conseguiu o direito ao voto, e de poder se candidatar para o governo. Mais uma: feminismo conseguiu que mulheres que são agredidas por seus maridos/namorados/conhecidos/desconhecidos tenham sua voz ouvida e que eles sejam punidos da maneira correta.

Conseguiu também que mulheres sejam reconhecidas por seus trabalhos, mas elas ainda ganham menos do que os homens. Conseguiu que mulheres tenham liberdade sexual, mas elas ainda são julgadas como “puta” ou “vadia”. Conseguiu que mulheres podem ser livres, mas elas ainda não podem andar sozinhas porque podem ser atacadas por um homem, só porque ela estava sozinha.

respeito

Agora vamos ao que interessa, porque as feministas causam tanto medo ou repulsa nas pessoas? E porque todo mundo ainda resiste aos movimentos feministas?

Desde os primórdios as pessoas que são diferentes são deixadas de lado, ou causam medo nas pessoas que pensam sempre igual. Com o feminismo nos dias de hoje não poderia ser diferente, o movimento vem ganhando cada dia mais peso e importância, só que as pessoas que se sentem incomodadas são aquelas que não veem o que está acontecendo de errado ou são as que estão fazendo coisas erradas. Ai é claro que o medo vem. Pessoas tem medo de pessoas que pensam diferente, que vão à luta, que buscam direitos e principalmente, não tem medo de dizer que é errado e que vai lutar pelo certo.

Talvez quem realmente deveria esperar pelo dia das crianças, seja a própria pessoa que disse para as feministas esperarem. Porque as feministas estão buscando um mundo melhor para todos, inclusive para essa mocinha (sim, foi uma mulher) que com certeza vai se beneficiar muito.

Termino o post de hoje, não querendo que todos decidam ser feministas (eu ia adorar, mas é opção de cada um), mas que respeitem, assim como nós feministas respeitamos quem não é, e respeitamos até os machistas (apesar de algumas discussões). Peço apenas que abram suas cabeças, porque feministas não seguem um padrão, nós somos femininas, nós podemos nos depilar ou não, podemos ser o que quisermos, até donas de casa, porque DECIDIMOS ser, porque nos sentimos livres e temos direito de escolher o que fazer com a nossa vida.

Agora, se quiserem saber mais sobre o movimento feminista, recomendo alguns blogs e pages no FB. Seguem os links: Lugar de Mulher , Geledés , Empodere 2 Mulheres  e Preciso do Feminismo Porque.

Um beijo cheio de amor! ❤

rihanna