Escolhas.

Ultimamente tenho refletido sobre uma escolha que fiz recentemente: estar sozinha.

E é claro que preciso confessar que desde que eu terminei o meu último relacionamento, que não faz muito tempo, eu tenho preferido estar sozinha, sem envolvimento nenhum com ninguém.

Isso é um fato muito raro, porque eu sempre estou envolvida com alguém, em qualquer aspecto, mas principalmente: eu tenho sempre um casinho, um contatinho, que eu sei que estamos ali querendo um ao outro.

Mas desde esse término eu decidi que eu não queria mais isso, até porque vinha engatando casinho em casinho e eu queria realmente tirar um tempo pra mim, pra pensar na minha vida, colocar minhas coisas em ordem, pesar o que eu realmente quero em um relacionamento, o que eu deixo de fazer com frequência.

Esse processo vem levando uns 3 meses e ele está sendo bem mais difícil do que eu imaginava. Ele anda mexendo muito com a minha autoestima, e o quanto eu acho que eu preciso de alguém sempre me autoafirmando alguma coisa. O engraçado é que o processo é justamente para que eu consiga me sentir muito bem sozinha, o que sempre ocorreu comigo, e sem a necessidade de alguém por perto sempre. Obviamente venho me sentindo muito mais carente porque não tenho ninguém, hahaha.

Tirar esse tempo pra gente se descobrir é tão bom, que faz ser bom não ter sempre um contato certo, não ter coisas mais “concretas”. Claro que durante esse tempo eu beijei umas bocas, fiz várias coisas que queria fazer, mas todas com mais liberdade, sem amarras, sem sentir aquela necessidade ou obrigatoriedade de conversar no dia seguinte, nem de manter aquele vínculo com aquela pessoa só porque tivemos um envolvimento momentâneo.

Sinto falta de ter isso às vezes, mas depois me lembro que nem sempre gosto disso, uma coisa super contraditória. Às vezes acho que é pela carência ou talvez a necessidade de querer ter sempre alguém ali, me desejando, como se nosso amor próprio não fosse necessário ou suficiente. E na verdade não é isso. Com certeza em algum lugar existe alguém me desejando – assim como eu posso me dar conta de estar desejando alguém logo – mas eu não sei.

Não sei porque não estou dando abertura pra isso, foi minha escolha essa posição. Se me sinto carente ou algo do gênero foi porque escolhi isso, e às vezes (quase sempre) me esqueço disso.

No final das contas, o que quero dizer com isso é podemos escolher. As coisas que acontecem na nossa vida são resultados das nossas escolhas. Eu escolho que as pessoas não me vejam, ou não me procurem, porque foi a escolha que fiz agora, o momento que estou passando, uma fase. Então, a cada momento de carência ou de bad à toa, tento me lembrar de que a fase que estou não é um momento para estar com alguém, e sim um momento para estar comigo.

E isso pode mudar a qualquer momento, afinal de contas, são escolhas que fazemos pra nossa vida, não é mesmo?

callie

Anúncios

Autor: Lu Bilhalva

Sou a Luiza e, assim como o café, gosto quando as coisas são fortes, intensas e quentes. Gremista não fanática, gaúcha, estudante de Psicologia, feminista e virginiana, além de adorar um papo, não nego um café e um chimarrão. Sou viciada em seriados, livros e filmes. Senti a necessidade de devanear nesse blog pra dividir um pouquinho da minha bagunça interna com o mundo. Dentro de um mesmo corpo há espaço para várias versões de mim mesma.

4 comentários em “Escolhas.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s