Nada tá bom

Ontem o frio voltou, atendendo a pedidos de todo o Brasil, ele deu as caras.

snow

Depois de 180 dias de sol intenso e um calor INSUPORTÁVEL, o frio chegou para aliviar um pouquinho.  Eis que, abro minhas redes sociais ONTEM, e me deparo com as primeiras RECLAMAÇÕES do frio, feitas pelas MESMAS PESSOAS QUE ESTAVAM CLAMANDO POR ELE. 

OI?

Fiquei totalmente perdida. Como assim gentes? Antes de ontem tava muito quente. Agora que veio o PRIMEIRO DIA DE FRIO vocês já tão querendo que ele vá embora? Isso que moramos em SC, aqui nem faz frio. Se contarmos direitinho nós temos 30 dias de frio “intenso” 15 graus.

Se formos analisar friamente a situação vemos apenas uma coisa: DESCONTENTAMENTO. E um descontentamento com tudo. Nada tá bom. Se tá calor, é calor demais. Se fez frio, tá frio demais. Se decidam!!!

É assim com a política, com a música que vocês ouvem, com os amigos que andam com vocês e até com os namorados que vocês não conseguem decidir se gostam ou não.

Eu sei que é difícil encontrar um meio termo, um lado que curte mais, quente ou frio, mas gente, MEIO TERMO, e reclamar de tudo, não dá. A VIDA NÃO FLUI QUANDO RECLAMA O TEMPO TODO. 

Reclamar que tá frio não vai fazer ficar quente. Não fez ficar menos calor durante o verão né? Então parem de reclamar.  Comecem a focar em coisas mais produtivas. Fiquem felizes que fez frio! Ou que estava calor e tínhamos muitas frutas. Agora vai ter vinho e pinhão.

Tem vários estudos que comprovam que quando a gente para de reclamar e começa ter pensamentos positivos, coisas boas começam a acontecer a nossa vida. Então é o seguinte: vamos todos nos FORÇAR a parar de reclamar. Seja do tempo, seja da política, dos amigos, do namorado, da vida, da rebimboca da parafuseta. E vamos agradecer, sabe? Poxa, agradecer as coisas boas, tipo:

Agradecer que estamos vivos é uma ótima! Agra
decer que temos roupas quentinhas também é outra ótima! Agradece que tu consegue resolver teus problemas, que tu tem comida, agradece que tem amigos, namorado, bagunça em casa, bichinho de estimação, trabalho, faculdade, ar pra respirar, etcs. Só agradece.

gratidão

Depois me conta se fez melhor do que reclamar.

E aproveita o frio e toma vários cafés e vem papear comigo mais vezes, tá?

Um beijo!!mariah

Anúncios

Permitindo-se

Hoje é sexta pós feriado então o café vai ser pra curar a ressaca! Peguem suas xícaras e vamos papear.

Alguns meses atrás eu fiz uma meia promessa pra mim, disse que ia procurar alguma coisa que eu realmente gostasse para fazer, porque eu ainda não achei um grupo ou algo em que eu REALMENTE me encaixe.

Esse assunto rende várias e várias idas à minha querida psicologa que sempre me dá algumas ideias, mas acontece que eu nunca coloquei elas realmente em prática. Até as últimas semanas.

SIM. Nas últimas semanas eu comecei a me auto-desafiar e fazer algo que eu não fazia: me permitir. (E quero dividir isso com vocês, pra que vocês também se permitam, se vocês não estiverem fazendo isso).

Primeiro pensei em algo que eu gostava e que queria fazer de verdade, BALLET. Achei uma escola, e marquei a aula experimental e fui. Não precisamos dizer que foi lindo né? Fiz todos os pliês, saltos, etc. Só esqueci de aprender a cair e voltei pra casa toda roxa. Foi ótimo, mas ainda não era a vibe. Pode ser que daqui a pouco seja, mas ainda não é.

agnes

Continuei pensando nas coisas que eu gosto de fazer, e ficou meio difícil e desisti um tempo. Até que uma conhecida fez um post sobre sororidade entre mulheres, conversamos mais por inbox e ‘montamos’ um grupo para de mulheres, que a gente discute sobre diversos assuntos, troca experiências e tem oportunidades de fazer mais uma pela outra. Um passo enorme fora da zona de conforto, dentro da vibe do que eu gosto, mas ainda dá pra fazer mais né?

Engatei em várias coisinhas depois que criei coragem de botar a cara pra fora pela primeira vez, voltei a fazer coisas que tinha deixado de fazer por simples preguiça.

Foi quando recebi o convite  de um colega da gincana para uma meditação em grupo, pensei, SERÁ? Será que isso é legal? Fiquei bem receosa, porque eu já medito em casa e achei que ia lá só pagar migo. Criei coragem e  fui. Paguei mico ÓBVIO, porque teve yoga, e eu não sei fazer aquelas coisas, mas acho que todo mundo meio que pagou. E foi tão legal, e teve uma energia tão boa, que deu vontade de ir em todas as edições (que já descobri que tem todos os meses).

Fiquei tão feliz de ter quebrado uma barreira de permissão ou de ter saído da minha zona de conforto, só pra poder encontrar uma coisinha que me fez feliz em um momento diferente de tudo.

zonadeconforto

Ainda tenho muito o que buscar, muita zona de conforto pra sair, mas saber que existem “lugares mágicos” fora dessa zona, e que é onde vamos encontrar o que faz a gente feliz, dá um gás monstro na vida. A minha busca ainda vai longe, e vocês provavelmente vão me acompanhar, com bastante café eu espero.

Quero saber de vocês, tão saindo da zona de conforto?

Beeeijo!

avril

O dia dele.

É hoje meus amados.

Hoje é o dia dele.

Tão especial, tão querido, tão desejado, tão amado…

HOJE É O DIA INTERNACIONAL DO CAFÉ!!!!! (Ele tem um dia exclusivo nacional também, é dia 24/05, chique né?)

café passado

Como é que não poderíamos ter um post só pra ele, que é praticamente nosso co-host aqui do blog, já que a gente fica “papeando no café”, né!

Então já que hoje é um dia importantíssimo na nossa vida de cafezeiros, vamos falar sobre o que é que ele tem que faz ele ser tão irresistível?

café jake

Peguem suas xícaras bem cheias e vamos lá!

Quando eu era criança eu sempre queria provar o tal do café, porque todos os adultos podiam tomar, e eu não. Isso me deixava muito ansiosa pra ser adulta e poder tomar café. Até porque era “muito adulto” poder tomar café. Era tipo tomar cerveja, algo só de gente grande.

Ao longo da minha adolescência fui descobrindo a cerveja e provei o tal do café. Vou confessar. Não foi amor a primeira vista.  Levou um tempo pra virar amor de verdade, alguns anos. E como eu não tomo leite, foram muitos anos de adaptação do café preto a quantidade certa de adoçante.

Mas aconteceu, me apaixonei, perdidamente por ele. Chego a sonhar com seu cheirinho recém passado.

Aceito sempre que é oferecido, não nego nunca. Tomo no café da manhã, depois do almoço e um pouquinho no café da tarde. Passado e até o solúvel.

Mas ainda não descobri o que ele tem que me ganhou. Pode ser o cheiro único que ele tem, principalmente de manhã cedo quando é passado pro café da manhã. Ou talvez seja o gostinho amargo que faz a gente enrugar um pouco o rosto, mas depois vem o docinho que já acalma o paladar. Só que pode ser a sensação de euforia que ele dá, sabe aquela animação que ele dá? Aquela energia?  Talvez seja isso.

Eu e o café estamos vivendo uma fase ruim, o médico disse que tenho que dar um tempo nele, porque ele me acelera demais, por isso tive que diminuir. Restringi a quantidade, mas não cortei totalmente, tá doido? O café faz parte da rotina.

Uma xícara todos os dias pela manhã, assim o dia fica mais alegre e eu mais acordada.

Agora quero saber o que é que o café tem de tão gostoso pra vocês. Ele sempre foi amor, ou foi conquistado também?

Me contem!!

Beeijos!

coffeeee

Largando vícios.

HOJE É O DIA MUNDIAL DA SAÚDEEEE!!

Tá todo mundo cuidando bem lindo da sua própria saúde né?

Hoje vou contar um segredinho meu e a gente vai falar sobre largar vícios e o quanto isso é difícil, ok? Pega o café então!

Poucas pessoas sabem, mas durante uns bons anos da minha vidinha que não é muito longa, eu me dediquei ao cigarro. Sentia cada pedacinho do meu fôlego indo embora junto com cada tragada, mas mesmo assim não abandonava meu amigo de todas as horas.

Foram 8 anos de amizade pura e sincera, companheirismo, alegrias e muitas tristezas. Porque quando estava triste, ele era o único amigo que eu queria.

friends

Mas chegou o momento de dar o basta. Tentei a primeira vez em 2013, logo quando voltei de SP. Tinha entrado em uma pequena “reabilitação” em casa, então estava em reeducação alimentar, diminuindo o álcool e em consequência, parando o cigarro. (Pra quem não sabe, eu morei 9 meses em SP e vivia uma festa louca todos os dias e voltei pra casa uns 20kg a mais e muito choro.) Meu afastamento do queridinho durou só 5 meses em 2013, quando senti que podia fumar só um que “não ia dar nada”, deu tudo e voltei a estaca zero.

Até que ano passado eu decidi que ele não era mais um amigo tão legal e realmente tava me deixando sem ar, mas num sentido ruim. Resolvi parar de vez.

Dia 22/06 foi o dia escolhido. Vou contar que a primeira semana foi enlouquecedora, e eu me sentia uma criança sem doce. Chorava, gritava, esperneava, fiquei extremamente irritada. Era a falta da nicotina.

Duas semanas depois, comecei a ter umas crises de ansiedade, palpitações, respirava mal e passava muito muito mal, e continuava chorando. Pesquisei e realmente, era abstinência, pode durar 3 meses. TRÊS MESES.

Passei os três meses da abstinência pesada, entrei na fase, estou bem sou ex fumante. Até sentir o cheiro de cigarro e ficar desesperada. Completei 9 meses sem fumar, o maior tempo que já consegui. Espero ficar muito muito mais.

Me contaram esses dias, “ahh depois de um tempo tu nem vai mais sentir falta”, e eu fico pensando, será? Eu sinto a falta todo dia. Acho que só se acostuma a não matar a vontade.

Largar o vício é difícil, e é preciso muita força de vontade. Não importa o quanto os outros se esforcem em tentar te mostrar, você tem que sentir que é a hora de largar. Pode ser qualquer coisa. Cigarro, álcool, drogas mais pesadas, comida (porque essa vicia muito também!), pessoas, séries, livros.. aahhaha.

O importante pessoal é sempre cuidar da saúde, física, mental, psicológica e principalmente emocional.

Agora quero saber, vocês tem vícios? Já largaram? Estão largando?

Me contem!!

Mil beijos!

boys