A dor da despedida

Olá queridos!

Vamos pegando o café, sentando e relaxando porque hoje o nosso papo vai ser um pouco mais intenso, mas igualmente lindo. Tá?

caminho-de-luz2

Ontem uma grande amiga minha perdeu um amigo e colega de trabalho, a morte chegou para ele, relativamente cedo, visto que ainda era novo. E a morte é sempre um assunto que nos faz pensar muito, porque a morte de um amigo, familiar e até bichinho de estimação é muito sofrida, porque “nunca mais vamos encontrar com aquela pessoa e compartilhar bons momentos.”

Como vocês já devem saber pelas outras postagens, eu sou espírita. Logo a minha visão sobre a morte, é um pouquinho diferente. Mas isso não quer dizer que eu ache ela menos dolorida ok?

A visão espírita sobre a morte é a seguinte: nós não morremos. Somos seres espirituais, feitos de luz e amor, o que morre, é apenas nosso corpo físico. Só que nós não somos só corpos físicos, somos espírito também. Diante disso, temos a vida eterna. Então quando a morte chega, nós fazemos a passagem para a vida espiritual e lá encontramos todas as pessoas que nos são queridas e amadas. Legal né?

E esse é um assunto que realmente mexe comigo, porque eu sou um tanto quanto apegada as pessoas da minha volta, e sempre sofro por antecipação pela possibilidade de perder alguém. Quando converso com a minha mãe sobre isso, sempre digo que não sei como vou reagir quando ela se for, mesmo sabendo que ela vai estar sempre comigo em espírito e sabendo que vou encontrá-la do outro lado quando eu me for.

Juro que tento que preparar, porque eu sei que existe um outro lado e que logo vamos todos nos encontrar lá. E acho que é essa a mensagem que eu queria trazer hoje.

A morte é uma coisa dolorida, mas ela é pior só pra quem fica. Quem se vai, encontra a paz e a luz que necessita, encontra a calma e a tranquilidade. Nós é que precisamos aprender a lidar com as faltas. Óbvio que são doloridas, e que a saudade é natural, mas é preciso entender que é apenas um até logo. E que nosso queridos estarão sempre próximos de nós, nos enchendo de amor e paz.

Um livro legal que ajuda a entender essa passagem espiritual é um livro do James Van Praagh, chamado Espíritos entre nós, ele fala como podemos aprender a lidar com a perda de entes queridos, com histórias super emocionantes e arrepiantes. E sem dúvidas se quiserem saber mais sobre isso ou sobre o espiritismo é só acessar aqui.

Espero que com essa mensagem eu possa ter ajudado de uma maneira geral a todos vocês verem a morte como uma breve despedida, óbvio que dentro da crença de cada um.

Um beijo enorme e cheio de luz, seus lindos!!

ian

A necessidade de fugir.

Olá meus queridos!!

Vamos pegando o café e sentando que hoje vamos falar sobre

PORQUE SENTIMOS A NECESSIDADE DE IR EMBORA?

nárnia

Já faz um bom tempo que me pergunto porque não faço um intercâmbio ou tento uma vida fora do país. E sempre tem alguém me fazendo a mesma pergunta. O que eu não entendo é, porque eu DEVERIA sentir vontade de fazer isso?

Deveria porque vou adquirir uma boa experiência de vida? Ou porque vou adquirir novos conhecimentos? Mudar os ares? Meu país está em crise e a vida é “mais fácil lá fora”? Poderia dizer SIM pra várias ou todas essas perguntas, mas a real pergunta é, o que é que tá tão ruim, que é preciso ir embora do país?

Em tempos de crise como a que estamos agora, é totalmente compreensível ir tentar a vida fora, abrir mão de tudo aqui, mesmo sendo absurdamente caro ir embora durante a crise (lembrem que o dólar está R$4,15…). Mas eu acredito que o que realmente impulsiona as pessoas a irem embora, além de terem sonhado com isso a vida toda, seria a vontade de fugir da vida atual.

Sendo beeem sincera com vocês, eu já fiz isso. Estava cansada da minha vidinha em Itajaí e fui tentar a vida em outra cidade, e vou dizer, meu problemas de Itajaí me acompanharam até São Paulo rs. No final das contas a unica coisa que realmente valeu a pena foi o meu crescimento pessoal, mas ele veio a duras penas.

Então eu fico pensando que não gostaria de passar por todos os perrengues que passei em São Paulo em outro país. Eu sei que esse é o sonho de muita gente, e eu incentivo todos os meus amigos que querem realizar o sonho de morar fora. Eu acho sensacional termos sonhos saudáveis e alcançáveis. Mas quando converso com pessoas que eu sei que esse não é o sonho da vida, eu converso bastante pra tentar entender qual é o real motivo.

O mundo hoje nos mostra que é ruim viver a nossa vida de escritório/casa/academia e diz constantemente pra gente largar tudo e ir embora viver de luz na Turquia. E não é bem assim. A gente não precisa abrir mão de uma vida toda porque todo mundo diz que é perfeito viver de mochilão na Europa com pouco dinheiro.

Precisamos encontrar o motivo que nos faz querer ficar. Ou pelo menos o motivo que nos faz querer voltar pra casa depois de uma viagem. O mundo é enorme, e nós temos todas as oportunidades na nossa frente, é uma questão de planejamento.

Eu hoje, não penso em fazer um intercâmbio ou morar fora do Brasil, mas penso constantemente nas inúmeras viagens que quero fazer. Todos os países que quero conhecer (não morar), porque posso ter uma experiência de vida só viajando a passeio, sem precisar morar em outro país.

Agora me digam queridos, o que vocês acham que faz a gente sentir essa necessidade de ir embora? Vocês querem ir viver em outro país ou só a passeio está bom? Rs. Me contem!!

beeeijo

BEEEEEEIJO!

 

 

Recebendo a irmã mais nova.

Olá queridos e queridas!

Hoje o café vai ser um pouco divertido e melosinho também, vou compartilhar um pedacinho da minha vida com vocês, espero que gostem, porque é divertida!

Aproveito também para parabenizar a minha irmãzinha, mas pega o café e vem descobrir como que EU recebi ela na minha vida.

SOFIA CHEGOU, E AGORA?

Resuminho pra quem não me conhece muito bem, eu tenho uma irmã 10 anos mais nova.

Preciso dizer também que como toda filha única, eu era absurdamente mimada (ok, ainda sou), mas na época era bem mais, só que eu queria desesperadamente uma irmã(o), porque já tava cansada de ser só eu, era chato no final das contas.

Aí um dia do nada minha mãe disse: “Lu, teu irmãozinho tá vindo, a mãe ta grávida.” E EU FIQUEI RADIANTE, PARECIA QUE TINHA GANHO NA LOTERIA DAS CRIANÇAS. Acompanhei de pertinho a gravidez da mãe (eu tinha 9 anos na época) e torcia pra Sofia se mexer na barriga pra mim e amava aqueles momentinhos enquanto na barriga.

Só que uma hora os 9 meses passam, e o bebê nasce. E nasceu, dia 17 de Janeiro de 2002, uma bolinha gostosa virada em bochechas e bumbum, que me apaixonei automaticamente, ÓBVIO, parecia uma boneca e era tudo o que eu queria. ATÉ que a fofinha chegou em casa e adivinha? “ROUBOU” todo o meu lugar e eu achei aquilo um ABSURDO, onde é que já se viu darem mais atenção pra ela do que pra mim? Eu já estava aqui a mais tempo precisava de mais. E aí coitada da minha mãe e padrasto na época, porque eu virei o bicho de ciumenta e de brava, achava que o mundo ia acabar porque ninguém me amava mais. Chorava, me jogava no chão, fazia birra e depois ia bajular o bebê, porque ela era muito fofa eu não aguentava, hahaha.

Levei um tempo pra me acostumar a não ser mais filha única, demorei pra entender que a atenção tinha que ser dividida, a gente acredita que por ser irmão o amor vem instantâneo e não tem disputa, mas é bem o contrário, rs.

Hoje, 14 anos depois, a disputa e o amor parcelado ainda existem, mas aprendemos a nos amar mais do que a disputa por atenção. Hoje a Sofia é um dos maiores presentes que já ganhei em vida, ela alegra nossos dias e faz com que a vida tenha mais sentido, quando ela não está em casa, é como se algo estivesse faltando e ficar sem falar com ela um diazinho é uma tristeza. Tá certo que nossos gênios não se batem, brigamos bastante e inclusive quando ela tá de mal comigo, ela me bloqueia no FB (como estou bloqueada desde o natal, hahahha), mas são ossos do ofício, aprendemos a conviver.

bolo unicorno

Aproveito esse momento para mandar um FELIZ ANIVERSÁRIO, cheio de amor, carinho, beijos, abraços, unicórnios e arco-íris, pro “budinha” que roubou minha atenção e que não vivo mais sem. Parabéns Sofi, te amo mais do que um dia pude pensar ser possível. (Espero que tenha gostado  ❤ )

Por hoje é só pessoal, espero que tenham gostado E  se vocês tem irmãos mais novos ou não, me conta como que foi receber eles! Vou adorar saber, rs.

BEEEIJOS!

megan fox

A primeira do ano.

Oii amados!

Preparados para nosso primeiro papinho com café do ano? Então peguem suas xícaras, e venham comigo!

Hoje vamos falar sobre uma coisa que nunca falamos, até porque nunca nos damos conta, que é:

O drama de um novo ano. 

drama

Falando bem sério, todo ano novo é um drama né? Começamos a ficar desesperados já em outubro porque todo mundo já sabe para onde vai no ano novo, menos nós. Aí deixamos pra cima da hora e fazemos um programa aleatório (daqueles que todo mundo torce o nariz e depois vira irado, sabe?) e reclamamos que não foi TUDO aquilo.

Agora vamos combinar, QUAL É A NECESSIDADE de ter uma entrada de ano fazendo festa e folia? Eu particularmente, acho muito divertido, mas acho sem necessidade as pessoas darem uma importância tão grande, como se a festa da entrada fosse dizer como que o ano vai ser.

Eu já tive viradas totalmente miadas e tive anos maravilhosos, e já tive viradas maravilhosas e anos horríveis. Isso não quer dizer nada.

Acho que no fundo, nos cobramos para estar feliz naquele momento, porque é a esperança de um novo começo, a chance de fazer tudo novo. Isso é realmente fantástico. Mas novamente temos uma cobrança interna de fazer diferente, mas não mudamos nossos hábitos, na verdade, pulamos ondinhas e torcemos pra que Iemanjá atenda nossos pedidos sem fazer um mínimo esforço. JÁ AVISO. Sem esforço, NEM IEMANJÁ, NEM ALÁ, NEM DEUS, NEM TU, nada vai mudar.

Então vamos fazer assim, ao invés de a gente começar o ano com um drama enorme e uma obrigação de ele ser O ANO MARAVILHOSO, começamos mudando algumas coisas e nos esforçando para outras. O que acham?

A vida é maravilhosa, nós que complicamos. Então vamos tirar o drama de novos anos e de “366 novas páginas em branco para escrever uma história ótima” e vamos FAZER o que estiver ao nosso alcance para que a gente consiga tudo o que quer para esse novo ano. Mudanças não acontecem do dia pra noite, elas precisam de tempo, lembrem disso.

E agora eu desejo meus amados, que vocês tenham um ano ótimo, que se esforcem para que coisas novas e boas cheguem nas suas vidas.

Beeeeijos!

selena